• Clinica NeuroGandolfi

Acompanhante Terapêutico Escolar Aplicador ABA

Atualizado: Fev 23


O Acompanhamento Terapêutico (AT) é uma prática clínica desenvolvida fora dos espaços tradicionais de tratamento (consultórios) e que acontece no contexto de vida de quem é acompanhado, utilizando o cotidiano como território privilegiado para suas experiências e intervenções. É uma modalidade terapêutica voltada à autonomia e à (re)inserção social de pessoas que, por diferentes motivos, não criaram ou perderam a possibilidade de transitar nos espaços sociais.

O AT é quem se desloca para encontrar o acompanhado (paciente), indo até a sua casa, na escola ou em outros espaços, visando promover encontros que possibilitem o estar e o fazer junto, a fala e o compartilhamento de experiências. Ele complementa o tratamento clínico da intervenção baseada em ABA. É o responsável pela característica fundamental da ABA: INTENSIDADE. Tem como função realizar os atendimentos em ambientes naturais e do cotidiano da criança ou adolescente, ou seja, domicilio e escola.


Seu trabalho oferece intervenções diretas nos comportamentos alvos e no processo de aprendizagem de novos comportamentos, ampliando repertório e promovendo a generalização.


Um dos pilares do TEA é a dificuldade de interação social. A grande maioria das aprendizagens da criança e adolescente acontece dentro de brincadeiras, nas conversas, nas risadas, vendo o que o colega ao lado está fazendo. Dessa forma, a escola torna-se um ambiente excelente de oportunidade de socialização e aprendizagem.


Você sabe o que é um Acompanhante Terapêutico Escolar Aplicador ABA?

❗️O acompanhante terapêutico (AT) escolar ou Aplicador de intervenção baseada em Analise do Comportamento (ABA) escolar é um componente importante do processo de acompanhar um aluno através de seu programa educacional. A tradução do inglês para o português seria Sombra.

✔️É muito importante que o AT do aluno possua as habilidades necessárias para ser uma ajuda adequada para a criança. ⁣

✔️O AT deve ser uma pessoa comprometida em ajudar o aluno a ser o mais INDEPENDENTE possível na educação convencional, porque um dos objetivos finais, se não o objetivo mais importante do AT, é, eventualmente, desaparecer do ambiente de inclusão e permitir que a criança se torne independente na sala de aula e na escola.⁣

Quem é qualificado para ser um AT?⁣

✔️Acompanhante Terapêutico aplicador ABA:

  • profissional técnico com curso aplicador ABA 40 horas e ensino médio completo.

  • profissional em graduação da área da saúde ou educação com curso aplicador ABA 40 horas.

  • profissional graduado da área da saúde ou educação com curso aplicador ABA 40 horas.

  • profissional graduado da área da saúde ou educação, Certificado de Pós-Graduação Lato Sensu (Especialização) em Análise do Comportamento Aplicada e que ainda não tenha concluído a prática supervisionada.

✔️Um AT é um membro da equipe de terapia do aluno e entende de perto suas necessidades e possui as habilidades necessárias para aumentar a participação na sala de aula e as interações sociais, a fim de tornar o dia escolar o mais produtivo possível.⁣

✔️O aplicador ABA (com curso 40 horas de aplicador ABA) não pode trabalhar sozinho e não é o responsável por fazer as avaliações e os programas de intervenções. Faz as folhas de registro e gráficos dos seus atendimentos. Ele sempre é supervionado, semanalmente, pelo Analista do Comportamento Assistente (pós-graduado).


✔️O Analista do Comportamento Assistente é o responsável pelas avaliações, elaboração dos programas de intervenções, fazer as folhas de registros e gráficos dos seus atendimentos, e deve ser submetido à supervisão constante do Analista do Comportamento Supervisor (mestre ou doutor ou BCBA), mesmo após anos de experiência.


Analista do Comportamento Assistente: profissional Graduado na área da saúde ou educação; Certificado de Pós-Graduação Lato Sensu (Especialização) em Análise do Comportamento Aplicada; e Mínimo de 500h acumuladas de prestação de serviços como aplicador para pelo menos 3 clientes diferentes, sendo que, a cada 20h trabalhadas, é requerida 1h de supervisão.


✔️O Analista do Comportamento Supervisor é, na realidade, a pessoa responsável pelo caso.


Analista do Comportamento Supervisor: profissional Graduado na área da saúde ou educação; Pós graduado Stricto ou Lato Sensu em Analise do Comportamento; Título de Mestrado ou Doutorado em Análise do Comportamento ou áreas associadas (por exemplo: Educação Especial, Distúrbios do Desenvolvimento) ou Título de BCBA fornecido pelo Behavior Analyst Certification Board (BACB); e mínimo de 1000 horas de prática supervisionada acumuladas no período de pelo menos 1 ano, sendo que, a cada 40h trabalhadas, é requerida 1h de supervisão.


✔️Um AT terá interações frequentes com os professores da sala de aula para apoiar a modificação do currículo para ser adequado ao estilo de aprendizagem do aluno. O AT também pode ensinar certas lições antes ou depois de ter sido ensinada em sala de aula, a fim de garantir que o aluno tenha compreendido todas as novas informações.⁣

✔️Porém, o AT não é o professor e não é o único responsável por ajudar o aluno a progredir. A intervenção baseada na ciência ABA não é responsabilidade de uma pessoa, mas um esforço de equipe entre o professor, o aplicador ABA, o analista do comportamento assistente e supervisor e os pais.

✔️Definitivamente, é um trabalho que exige muita habilidade em ABA, paciência e desejo de ver o aluno se tornar uma pessoa mais independente.

Um dos momentos mais importante para a atuação do AT no contexto escolar é justamente fora de sala de aula, na hora do recreio, nas saídas para o intervalo, durante as filas para troca de sala. São esses pequenos momentos que ele pode ajudar criança ou adolescente com TEA a olhar para o colega que oferece o lanche, ou para aquele que chama para a brincadeira, ou o outro que informa onde começou a fila. O AT escolar é responsável por mediar todas essas situações, identificando os apoios que a criança ou o adolescente precisa para iniciar, responder e manter adequadamente as interações sociais. Sem este profissional, a cena mais recorrente que há são crianças e adolescentes isolados, sem brincarem e passando por situações de bullying. O AT escolar é o profissional ideal para ajudar na inclusão da criança e do adolescente com TEA, ajudando os colegas e professores a entender como tudo pode funcionar!


Vale ressaltar que o AT não é um cuidador da criança ou adolescente. E isso precisa ficar bem claro para família e para a escola.


1. O que um AT precisa fazer?

📌O papel de sombra, se posicionando sempre atrás da criança, para que com o tempo sua ajuda seja dispensável e a independência estabelecida.

📌Identificar habilidades alvos.

📌Promover interação social.

📌Reforçar comportamentos adequados, promovendo a generalização.

📌Dar dicas físicas, verbais e outras para favorecer a aprendizagem.

📌Ter momentos de ensino aprendizagem um a um , ou seja, somente ele com a criança.

📌Saber lidar com comportamentos disruptivos.

📌Saber usar as folhas de registro e gráficos.


2️.O que um AT NÃO DEVE fazer?

📌Assumir o papel da professora ou do assistente de sala.

📌Responder ou falar no lugar da criança ou adolescente.

📌Repetir sempre e imediatamente as instruções da professora.

📌Obrigar as outras crianças ou adolescentes a brincarem ou interagirem com seu acompanhando.

📌Se tornar cuidador.

📌Andar de mãos dadas ou com a criança ou adolescente no colo.

📌Executar as atividades pela criança ou adolescente.


Quem determina a necessidade da criança ou adolescente ter um AT na escola é o Analista do Comportamento, junto com equipe multidisciplinar e médico responsável.


A família deve ficar atenta sempre se o AT faz ou não faz aquilo que é de sua função e segue as orientações da supervisão do Analista do Comportamento.


Caso a escola não saiba qual a necessidade e a função do AT, ela deve procurar o Analista do Comportamento do aluno para que esse possa marcar uma reunião na escola, afim de ajudar no entendimento da função do AT.


#acompanhanterapeutico #aplicadorABA #escola #autismo #autista #TOD #deficienteintelectual #TDAH #psicologia #psicopedagogia #neuropsicologia #terapiainfantil #trabalhocomamor

Renata Böhme Golasqui

Psicóloga - Neuropsicóloga - Psicopedagoga - Terapia Infantil

Acompanhante terapêutico escolar aplicador ABA - Capacitação do Protocolo VB-Mapp

Rua Dr. Pedro Costa, 483 - 3o. andar, sala 32, Centro, Taubaté - SP

CEP: 12.010-160  -  Tel: (12)-3621.4846 / Celular e whatsApp: (12) 97401. 8970  

E-mail: neurogandolfi@hotmail.com  -  Atendimento secretaria: Segunda a sexta das 9h às 16h

©  2020 por Clínica Neurológica Gandolfi.

  • Autismo na web
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon