• Clinica NeuroGandolfi

Amamentação e alimentação materna: O que realmente é verdade?

Atualizado: Mai 26



Muitos são os mitos que giram em torno da alimentação materna durante o período de lactação. No consultório é comum atender mulheres que estão com restrições alimentares preventivas, já devidamente orientada por familiares ou sites da internet, pelo risco de que tais alimentos causem cólicas em seus bebês.

Várias destas, apesar da dieta seguida, ainda assim não conseguem sucesso no controle das cólicas. Tantas outras comem de tudo e os filhos não apresentam nada.

São muitas as associações como feijão que causa gases no bebê, canjica para aumentar o leite, evitar pimenta ou outros condimentos pelo risco de cólicas.

Mas o que de fato é comprovado e o que é conhecimento popular?

(1) O primeiro ponto é a quantidade de comida diária. Sabendo que uma nutriz tem um gasto energético basal maior do que das outras mulheres, seria razoável pensar que estas devem se alimentar em maior quantidade. O que os estudos mostram, entretanto, é que mesmo aquelas mães que ingerem menores quantidades de calorias do que as recomendadas continuam produzindo quantidade suficiente de leite para seus bebês e com a mesma qualidade.

Para algumas mulheres, a orientação de que elas devem ingerir mais calorias pode ser penosa e os momentos de alimentação se tornam menos prazerosos. Desta forma o que eu recomendo é que a mãe se alimente bem, de forma variada e de acordo com sua fome. Uma mulher saudável sentirá fome o suficiente para se alimentar o quanto precisa neste período. Respeite seu corpo. Um nutricionista pode ajudar muito neste período.

(2) Composição do Leite A composição do leite materno modifica-se muito pouco com a alimentação da mãe. Proteínas, lipídeos e lactose não sofrem alteração. A quantidade de gordura saturada e insaturada pode variar de acordo com a dieta, porém sempre a quantidade de acidos graxos insaturados será maior, mesmo que a dieta materna seja escassa.

Algumas vitaminas podem variar de acordo com o consumo materno mas, desde que não haja deficiência vitamínica, as quantidades no leite serão adequadas. Exemplo aqui é a vitamina B12 que, no caso de mães vegetarianas estritas sempre deve ser reposta.

(3) Calcio Durante a amamentação existe uma perda de 3 a 7% do cálcio ósseo que é recuperada espontaneamente após 6 meses de amamentação. Suplementação não diminui a perda inicial e nem acelera sua recuperação. Desta forma, a idéia de que comer e tomar derivados de leite aumenta a produção láctea da mulher ou diminui sua perda óssea é mito e pode causar problemas para algumas mulheres que apresentam intolerância à lactose.

(4) Ferro A suplementação de ferro será sempre condicionada a anemia materna. Oferecer ferro para a mãe visando aumentar a concentração no leite não se justifica.

(5) Alergias Não foi observada vantagem em retirar da dieta materna leite, ovo, peixes e frutos secos para prevenção de alergias no longo prazo. A única diferença vale para os bebês com risco aumentado para dermatite atópica que apresentam vantagem ao ter tais alimentos retirados da dieta materna.

(6) Hidratação Não existe conta mágica mas é um tanto óbvio que uma mulher que amamenta necessita tomar mais liquidos do que as outras. Um mínimo de 3 litros de água por dia seria uma boa quantidade para a maioria das mulheres.

(7) Emagrecimento Se o seu objetivo é perder os quilos a mais da gestação tenha em mente que esta perda só costuma ocorrer a partir do terceiro mês de pós parto e que, antes disto, você pode até ganhar peso.

Se você já estava com quilos a mais e deseja dar uma enxugada agora você pode fazê-lo sem problemas mas se lembre que sua dieta não pode ser muito hipocalórica e é importante que você procure um profissional nutricionista para te orientar neste período. Já está comprovado que uma dieta para perda de peso GRADUAL durante a amamentação não prejudica a produção de leite.

Então… A recomendação alimentar para uma mulher lactante saudável, com um bebê também saudável, é como para qualquer outra mulher.

Os alimentos que você come podem interferir no sabor do leite mas, dificilmente farão seu bebê rejeitá-lo. Caso você coma algo mais condimentado ele pode estranhar mas é algo passageiro.

Não há fórmula mágica anti-cólica. Quem dera existisse.Tenha bom senso e vá tateando aquilo que você é seu bebê se adaptam melhor. Sem loucuras.

Os refrigerantes do tipo cola contém cafeína, que pode agitar mãe e bebê, causando irritabilidade e dificultando uma noite de sono tranquila. A cafeína também impede a absorção de cálcio, mineral importante para os bebês, que participa do crescimento de ossos e da contração muscular.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

CHOCOLATE NA AMAMENTAÇÃO: PODE OU NÃO PODE?

Junto com os presentes para o bebê, vem a lista de itens proibidos da sua dieta. Para quê? “Para que seu bebê não tenha cólicas”, vão dizer. Você sai cortando tudo do seu cardápio e rapidamente estará com uma dieta restrita, justamente quando mais precisa estar bem nutrida. Antes de cortar tudo, inclusive os pulsos, LEIA ESTA POSTAGEM!

A idéia de que certos alimentos causam desconforto ao bebê é incrivelmente enraizada em nossa cultura, mas NÃO TEM BASE CIENTÍFICA ALGUMA. Isso não quer dizer que alguns bebês especificamente não podem se incomodar com um ou outro alimento ingerido por você, porém são casos isolados e que não justificam essa privação extensa em meio a tantas cobranças. Caso você perceba essa relação com algum alimento específico, daí você restringe. A maioria dos bebês fica bem com todos os alimentos que as mães venham a comer, inclusive CHOCOLATE e CAFÉ (com moderação).

Anota aí: NÃO EXISTE LISTA PADRÃO DE ALIMENTOS PROBIDOS PARA QUEM AMAMENTA.

Muitos bebês, eu disse MUITOS, ficam cheios de gases de tempos em tempos. Isso tem a ver com a imaturidade do sistema digestivo do bebê e não com a dieta materna. Ao primeiro sinal de desconforto vão culpar você. Não caia nessa, ele ficaria cheio de gases de toda maneira. Tudo isso vai se revolver com o amadurecimento.

Tudo o que leve seu bebê a engolir muito ar pode “dar” cólicas: pega incorreta nas mamadas, uso de mamadeira e chupeta. Também influenciam o uso de fórmulas infantis e medicamentos tomados pelo bebê.

Apenas o que PASSA PELO SANGUE da mãe (álcool, medicações, drogas) influencia, não o que ela tem no estômago. Os gases do intestino da mãe NÃO passam para o bebê.

IMPORTANTE: Essas orientações são para bebês SEM ALERGIA!. Sensibilidade a laticínios acomete de 2-7% dos bebês.

Evitar comer algo para que um bebê saudável não desenvolva alergia pode até deixá-lo mais sucetível.

Uma dieta restrita desnecessariamente, terá muito impacto (negativo) em você e no seu bebê. A sua saúde (física e mental) está em jogo. Nada de se prejudicar para agradar aos palpiteiros metidos a Nutricionistas.

Devo evitar alimentos alergênicos na gestação e amamentação?

SOBRE PREVENÇÃO DE ALERGIA ALIMENTAR:

Muito importante! Não deixem de ver! Antes de sair por aí evitando tudo, pergunte para quem sabe!

Devo evitar alimentos alergênicos na gestação e amamentação?

Consensos atuais dizem que restrições na alimentação (como leite, soja, trigo, peixe, ovo e oleaginosas) na mãe durante a gestação e durante a lactação não são eficientes para diminuir a chance do bebê apresentar alergia!

Hoje, na literatura, não há evidência que evitar qualquer alimento potencialmente alergênico durante a gestação e lactação possa fornecer algum benefício na prevenção de alergia. Pelo contrário, a inclusão desses alimentos “alergênicos” na alimentação da mãe pode ser benéfica para a prevenção de alergia alimentar e asma.

Mas por que? Como isso acontece? Quando a mulher faz uso de vários alimentos alergênicos, ela passa esses alérgenos alimentares via leite materno ou líquido amniótico. Através da passagem desses antígenos alimentares, acontece uma sensibilização precoce a esses alimentos alergênicos para o bebê e por isso tem essa prevenção de alergia alimentar.

E se mesmo comendo tudo na gestação e lactação, o meu filho apresentar alergia? O bebê pode apresentar alergia a esses alimentos nunca consumido (através do leite materno), mas isso é MUITO RARO!

Então, como podemos prevenir a alergia alimentar? - Alimentação bem variada da mamãe. - Aleitamento materno exclusivo. - Microbiota intestinal saudável (neste caso observar a necessidade de suplementar probióticos, ômega 3 e vitamina D).

DICA: Converse com o seu pediatra.


ATENÇÃO: Esta postagem não tem o objetivo de substituir a consulta pediátrica. Somente o médico tem condições de avaliar caso a caso e somente ele pode orientar o tratamento e a prescrição de medicamentos.


#cuidadoscomcrianca #sercrianca #mamaecuida #papaicuida #maternidadeativa #maternidadereal #falapediatra #orgulhodapediatria


Dra. Valéria Gandolfi Geraldo

Pediatria - Neurologia Pediátrica

CRM-SP: 105.691 / RQE: 26.501-1


LEIA TAMBÉM:

Amamentação na primeira hora de vida: a melhor boas vindas ao bebê!


Tratamento da migrânea na gravidez e lactação: o que precisamos saber?


O ciclo de problemas: chupeta, mamadeira e baixa produção de leite materno.


É possível amamentar gêmeos exclusivamente?


Pode amamentar doente?


Quando não amamentar? Razões médicas REAIS que impedem a amantação


Amamentação em tandem: o que é e dez dicas para dar certo!


Amamentação é a base da vida!!


NÃO SE DEVE FAZER AMAMENTAÇÃO CRUZADA!


O que é mastite e como tratar este problema na amamentação?


Amamentação e Medicamentos


Chocolate & Amamentação


Após um ano de idade, amamentar? Sim! E o leite rico em DHA.


Amamentar emagrece mesmo ou é mito?


Grávida pode continuar amamentando?


Amamentação e legislação


A amamentação natural é o primeiro aparelho ortodôntico funcional da criança!


O papel dos irmãos e como eles podem auxiliar (ou não) no processo de amamentação!

Amamentação: procedimentos de beleza permitidos e proibidos.


A pega correta para amamentação!


Mitos sobre amamentação!


Tempo de esvaziamento da Mama: Relógio e Amamentação não combinam!


Amamentação prolongada: saiba os benefícios para a saúde da mãe e da criança.


Amamentação e Bactérias Intestinais: como a microbiota da mãe coloniza o intestino do bebê.


Cuidados com a mama durante a amamentação.


Amamentar no peito deitada pode? Quais as posições de amamentação?


A amamentação do meu bebê está sendo suficiente?


O papel do pai na amamentação


Colostro também é leite, sustenta e é a vacina da natureza para o bebê!


Não existe Leite materno Fraco!


Dia Nacional de Doação de Leite Materno: 19 de maio.


Leite Materno: tempo de conservação.


Como ordenhar leite materno?

0 visualização

Rua Dr. Pedro Costa, 483 - 3o. andar, sala 32, Centro, Taubaté - SP

CEP: 12.010-160  -  Tel: (12)-3621.4846 / Celular e whatsApp: (12) 97401. 8970  

E-mail: neurogandolfi@hotmail.com  -  Atendimento secretaria: Segunda a sexta das 9h às 16h

©  2020 por Clínica Neurológica Gandolfi.

  • Autismo na web
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon