• Clinica NeuroGandolfi

COVID-19 e escolas fechadas: como manter seu filho entretido em casa?

Atualizado: Mai 15


Coronavírus e escolas fechadas: como manter seu filho entretido em casa (sem ficar com o cabelo em pé!)

Com aulas suspensas em escolas de todo o país, os pais se perguntam o que fazer para manter o filho ocupado durante a semana, afinal, ir ao cinema, parques ou teatro está fora de cogitação. É importante encontrar maneiras de entreter os filhos para além dos aparelhos eletrônicos ( celular, tablet, vídeo game ou qualquer outro) e aproveitar para nutrir a criatividade das crianças e estreitar os laços familiares. Mesmo em tempo de quarentena, o tempo de telas/eletrônicos permitidos para cada faixa etária deve ser mantido.


As autoridades não recomendam deixar as crianças com as avós nesse período, uma vez que idosos fazem parte do grupo de risco da COVID-19.


Em um primeiro momento, é normal que você recorra aos celulares, tablets e à televisão para deixar seu filho longe do tédio, ainda mais se precisa trabalhar no modelo home office. Mas é importante evitar que a tecnologia domine todas as horas livres da família, e ainda aproveitar para estreitar os laços com o seu filho!


(1) Explore a imaginação:

As crianças que gostam de brincar de faz de conta são boas em se divertir. As crianças não serão capazes de jogar uma bola ou andar de bicicleta em todas as situações chatas, mas sempre terão sua imaginação. Experimente estes jogos para aproveitar a vida de fantasia de seu filho: da próxima vez que você tiver muitas tarefas a fazer, sugira que seu filho finja que ela é uma alienígena que está acompanhando você durante o dia para descobrir como são os terráqueos. Ou quando você estiver na fila do caixa no supermercado, peça para seu filho acreditar que ele é um chef de TV comprando mantimentos para seu programa. Depois de algumas vezes, pare de fornecer o cenário e pergunte ao seu filho o que ele deveria fingir ser. Com a prática, você pode chegar ao ponto em que ele se sente confortável olhando pela janela em uma longa viagem de carro, porque ele pode criar uma história elaborada.


(2) Recompense-o  por brincar sozinho:

Na escola, seu filho tem mais ou menos 20 colegas possíveis. Em casa, ele pode estar sozinho – ou apenas com um irmão, fazer esse ajuste é difícil. Para resolver o problema, programe um tempo para seu filho se divertir sozinho – fazer um quebra-cabeça, construir um forte com peças de montar e ler livros ilustrados são ótimas atividades para crianças. Caso seu filho precise de um ponto de partida para aprender a se divertir sozinho, sugira-os, mas, caso contrário, deixe-o inventar algo por conta própria.


Comece com apenas 15 ou 20 minutos de tempo sozinho e adicione mais cinco ou dez minutos por semana, trabalhando até uma hora. (Obviamente, você nunca deve deixar seu filho sem vigilância em qualquer lugar, pois pode haver um problema de segurança, como a cozinha ou a garagem.) Vale recompensá-lo por esse tempo sozinho,  quando o quebra-cabeça é concluído, por exemplo, faça algo que irá agradá-lo, como brincar um pouco com ele, ou até o presentear com refeições que ele goste.


(3) Pense fora da caixa de brinquedos:

Quando seu filho se sente entediado, você costuma dizer: “Olhe para esses tanto de brinquedo que você tem, por que não brinca com algum deles?”. O problema é que quando as crianças estão entediadas, um carrinho ou uma Barbie não os animam. Eles desejam algo único para brincar.


Certifique-se de que seu filho saiba que coisas domésticas comuns – um porta-toalhas de papel, uma caixa de papelão gigante, macarrão seco e outras massas divertidas, sacos de papel, botões extras de todas as cores e tamanhos – estão disponíveis, desde que ele peça sua permissão primeiro. Mas resista a empacotar os suprimentos em uma “caixa do tédio”, porque tira o senso de descoberta. Suponha que seu filho tenha a ideia de fazer um fantoche de mão com materiais em toda a casa. Ele desenvolverá mais habilidades de resolução de problemas pesquisando de sala em sala para encontrar o que vai usar para os olhos do fantoche do que abrir uma caixa e encontrar tudo o que ele precisa ali.


(4) Foque na criatividade:

Não há problema em sugerir uma solução para as crianças quando elas estão entediadas, especialmente se tiver passado pelo menos 10 ou 15 minutos e elas não tiverem conseguido criar algo por conta própria. Mas as distrações mais comuns – ligar um programa de TV, escolher um filme ou até mesmo entregar o celular – ensinam seu filho a esperar gratificação instantânea. Eles provavelmente manterão seu filho ocupado por um tempo, mas, a longo prazo, essas correções tornarão seu filho menos tolerante com o tempo quieto, porque ele sentirá que sempre precisa responder a alguma coisa. Além disso, geralmente não há nada criativo neles.


Como uma possível alternativa, sugiro ter alguns projetos na manga para ocupar à criança em momentos que você também estiver sem criatividade. Um deles, por exemplo, é construírem juntos um jardim de flores, vegetais, temperos, etc. As crianças podem regar, arrancar ervas daninhas, semear, colher e até usar um caderno para desenhar – ou escrever, caso já saiba – o progresso das plantas. Dentro da razão, deixe-os decidir o que plantar e onde fazer o jardim. Às vezes, dá certo e às vezes não, mas dar-lhes liberdade ajuda a promover o pensamento criativo.


Separei uma série de brincadeiras e atividades para manter seu filho entretido em casa. E lembre-se sempre: a diversão é a palavra de ordem, já que anda de mãos dadas com o aprendizado. As crianças que usam a imaginação são capazes de desenvolver melhor suas emoções. É dessa maneira que elas conhecem o mundo ao seu redor e dão asas para a criatividade, que é de onde saem as melhores brincadeiras.


Para brincar em família

(1) Monte um álbum da família:

Muitas vezes esquecemos de revelar nossas fotos, salvamos na nuvem ou publicamos nas redes sociais. Caso você não tenha uma cópia impressa esse é o momento perfeito para revelar as fotos de família, comprar alguns álbuns simples e reunir as crianças para te ajudar na montagem. Além de unir a família ao redor de boas lembranças, essa atividade vai entreter os pequenos por um bom tempo.


(2) Era uma vez:

Não precisa de muito para a brincadeira ficar divertida – é só deixar a criatividade e a imaginação rolarem. Comece uma história e peça para as crianças irem completando, cada uma fala durante 5 minutos. Se quiser incrementar, aposte em fantasias ou acessórios para criar personagens.


(3) Faça uma árvore genealógica:

Selecione algumas fotos e monte uma árvore genealógica da sua família com seu filho. Você pode até emoldurar em um lindo quadro e decorar a parede da sua casa. Além de ensinar sobre o valor da família, essa brincadeira gera uma recordação marcante desse momento e de todas as pessoas que são especiais para vocês.


(4) Brinque de ensaio fotográfico. E não esqueçam dos figurinos!

Hoje em dia todo mundo tem uma câmera de boa qualidade no celular, então por que não aproveitar esse recurso e começar uma brincadeira de ensaio fotográfico? Enquanto uma criança tira foto, as outras podem montar os cenários e fazer poses divertidas. Para deixar tudo ainda mais animado, separe alguns acessórios coloridosfantasias e looks chamativos. Coloque um lençol ou qualquer tecido de cenário e diga xis! Os pequenos podem fingir que são personagens de desenhos animados, cantores, jogadores de futebol e deixar a imaginação livre para criar o que quiserem!


(5) Jogo da memória do que você mais gosta:

Peça para o seu filho escolher os seus brinquedos preferidos. Com a ajuda dele, faça uma foto de cada um dos seus xodós e imprima duas cópias de cada. Recorte em quadrados iguais, misture as peças e voilá: você terá um jogo da memória personalizado!


(6) Teatro de fantoches:

Histórias ajudam a estimular a imaginação e favorecem o mundo lúdico da criança, o que é superimportante. No teatro de fantoches, a criatividade vai comandar o espetáculo. Os atores podem ser bonecos confeccionados ou até meias customizadas. Os adultos podem começar a contar a história. Depois, as posições se invertem e os filhos inventam seus próprios enredos.


(7) Desenho maluco:

Separe folhas de papel, canetas coloridas, tintas, pincel e deixe a imaginação tomar conta. Ao final da atividade, vale expor as obras-primas em uma galeria de arte da família. Para quem quiser ir além, existe o jogo chamado Desenho Maluco. Nessa brincadeira, cada participante recebe uma folha em branco. O primeiro passo é desenhar uma cabeça no alto da folha. Depois, dobram-se os papéis e as folhas são trocadas entre os participantes. Em seguida, cada participante continua o desenho na folha que recebeu. Repetindo as instruções, as folhas são novamente trocadas. Assim, cada criança desenha uma parte, da cabeça aos pés. No fim, abra os papéis e veja os desenhos que se formaram. Com certeza, vão ficar muito divertidos, com direito a cada participante deixar a sua marca neles.


(8) Revirando o baú:

Chegou a hora dos pais relembrarem as brincadeiras da época deles. Bolinha de gude, peteca, jogo de varetas, banco imobiliário… As crianças tem muito interesse em saber como os pais eram quando criança. Assim, ao mesmo tempo em que os pais tem a oportunidade de ter uma lembrança gostosa da época de infância, os filhos criarão uma conexão muito forte.


(9) Telefone sem fio:

Para essa brincadeira, todo mundo deve ficar em círculo. O primeiro participante cria uma mensagem e fala no ouvido do próximo. A mensagem vai passando adiante e cada um vai dizendo o que entendeu. A última pessoa será quem vai repetir, em voz alta, o que ouviu. O desafio é descobrir se a mensagem permaneceu a mesma do começo ao fim. Alerta: essa brincadeira pode render várias gargalhadas.


(10) Batata quente diferente:

Usaremos o celular, mas de um jeito inusitado. A brincadeira consiste em sentar em roda e programar a opção de foto do celular no timer. Iniciada a contagem regressiva para o clique, o celular servirá de batata quente e passará de mão em mão. Quando o tempo se esgotar, a foto não deixará mentir quais mãos foram as últimas. Depois da brincadeira, vale sentar junto e se divertir com as fotos que ficaram registradas.


(11) Quem sou eu?

Para esse jogo, são necessárias habilidades de detetive! Os jogadores devem também estar em roda. Cada um escolhe o nome de um personagem de filme, desenho, artista, ou mesmo alguém do convívio deles, escreve num papel e gruda na testa do participante da direita, sem que ele veja. Cada criança faz perguntas para os outros jogadores sobre o que ela é. Por exemplo: “eu sou uma mulher?”. E os jogadores só podem responder sim ou não. Cada um tem uma chance de tentar adivinhar.


(12) Stop!

No Stop!, a família definirá em conjunto categorias de cores, animais, carros, cidades, entre outras. A partir do que foi escolhido, todos escrevem as categorias em um papel. Escolhida uma letra, todos preenchem a folha, de acordo com as categorias, com palavras que comecem com a letra escolhida. Aquele que acabar primeiro grita “Stop!”. O jogo pode acontecer de forma individual, mas pensar junto e dividir a família em equipes é mais divertido.


(13) Um, dois, três, ação!

Em pedaços de papel, escreva nome de filmes, atores, ações. Eles devem ser sorteados entre os participantes. Um  representante da equipe deve fazer com que os outros descubram o que ele tirou. Mas o desafio se dá ao passo de que ele não pode falar ou emitir sons, apenas gesticular. A mímica vai entrar em ação! Quem se sairá melhor?


(14) Alerta cor:

Essa brincadeira pede um espaço grande! Uma pessoa é escolhida para ser o pegador e os demais ficam espalhadas pelo cômodo. O pegador diz “alerta cor!” e os demais perguntam “que cor?”. O pegador, então, escolhe uma cor e todos deverão tocar em algo dessa cor para ficarem salvos, caso contrário, poderão ser pegos.


(15) Piquenique:

Nesse dia, o jantar vai acontecer de uma forma diferente! É só estender uma toalha no chão da sala e todo mundo vai ser convidado a comer ali mesmo. E o cardápio também pode ser escolhido em conjunto. Entre sanduíches, frutas e sucos, a criança pode ajudar na preparação.


(16) Memória dos objetos:

Essa atividade é para exercitar a memória. Objetos da cozinha, do quarto ou os próprios brinquedos do seu filho podem ser usados. O primeiro passo é separar 10 objetos. Assim, a criança terá que observá-los por um tempo determinado. Os pais são os responsáveis por tirar um e deixar a criança perceber o que sumiu. Escolher um cômodo da casa também pode ser uma opção. Agora, a criança deve olhar durante um minuto para a disposição dos objetos no cômodo escolhido. Depois, terá que descobrir o que mudou de lugar. Os papéis também podem se inverter e a criança comandar a brincadeira e alterar o lugar dos objetos.


(17) Passa anel:

Um dos jogadores será o passador do anel. Com o objeto entre as palmas da mão, a criança deve passar suas mãos entre as dos participantes, que devem estar posicionados lado a lado ou em círculo. O passador deve fazer isso quantas vezes quiser, mas em uma delas deve deixar o anel. Quando acabar, ele pergunta a outro jogador com quem ficou o objeto. Se a pessoa acertar, os papéis são invertidos. Se não, tudo continua igual.


Para a criança brincar sozinha ou com os irmãos

(1) Olhe onde pisa:

Use caminhos já feitos no chão, como sarjetas, bolachas de árvore ou uma linha desenhada para improvisar brincadeiras de siga o líder ou não toque o chão. Desafios de equilíbrio também são boas opções.


(2) Bolha de sabão:

Faça a mistura simples de água com detergente e use o ingrediente secreto: uma colher de glicerina, que garante que a bolha não estoure na hora. Você pode reutilizar embalagens antigas ou usar uma tampa e arame.


(3) Mãos na massa:

Quem não gosta de brincar de massinha? O melhor dela é que pode ser feita em casa. Você só vai precisar de uma xícara de sal, quatro de farinha de trigo, uma xícara e meia de água, três colheres de sopa de óleo e corantes alimentícios das cores que preferir. Depois, é só misturar tudo e, literalmente, colocar as mãos na massa!


(4) Imaginação no comando:

Sabe aquela caixa de papelão sem uso e jogada na dispensa de casa? Você tem um grande aliado para a diversão em família e nem sabia! Com um pouco de cor, traços e, lógico, criatividade, ela pode ser transformada em avião, carro , casa, e o que mais a imaginação permitir. O mesmo vale para as revistas e gibis antigos. Essas folhas podem virar aviões de papel ou barcos à vela com simples dobraduras. A largada será dada e, pelos ares ou pelas águas, a família vai fazer suas apostas para os vencedores das corridas e a diversão será garantida!


(5) Casinha:

Essa brincadeira pode ser feita em qualquer espaço e com diversos tipos de brinquedos, como bonecas e bichos de pano. As crianças representam os papéis sociais e podem inverte-los, por exemplo, cada hora uma é mãe e a outra a filha.


Sei que não está sendo fácil, mas espero de ajudar com essas dicas.

Dra. Valéria Gandolfi Geraldo

Pediatria - Neurologia Pediátrica

CRM-SP: 105.691 / RQE: 26.501-1

Rua Dr. Pedro Costa, 483 - 3o. andar, sala 32, Centro, Taubaté - SP

CEP: 12.010-160  -  Tel: (12)-3621.4846 / Celular e whatsApp: (12) 97401. 8970  

E-mail: neurogandolfi@hotmail.com  -  Atendimento secretaria: Segunda a sexta das 9h às 16h

©  2020 por Clínica Neurológica Gandolfi.

  • Autismo na web
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon