top of page
  • Foto do escritorClinica NeuroGandolfi

Tratamento da Síndrome dos Espasmos Epilépticos em crianças com Trissomia do 21.


Tratamento da Síndrome dos Espasmos Epilépticos em crianças com Trissomia do 21.

Ao abordar a complexidade da Síndrome dos Espasmos Epilépticos em crianças com Trissomia do 21, é essencial considerar uma abordagem abrangente e personalizada no tratamento. Essas condições, embora distintas, muitas vezes coocorrem, requerendo uma compreensão profunda e estratégias específicas para otimizar o cuidado.


A Síndrome dos Espasmos Epilépticos, uma forma rara e específica de epilepsia, pode apresentar desafios únicos quando associada à Trissomia do 21. O tratamento, portanto, demanda uma colaboração estreita entre profissionais de saúde, familiares e a própria pessoa afetada. Aqui estão algumas dicas valiosas:


Primeira Dica: Avaliação Médica Detalhada: Inicia-se com uma avaliação médica detalhada, envolvendo neurologistas pediátricos com expertise em epilepsia e profissionais de saúde familiarizados com as nuances da Trissomia do 21. Compreender a natureza específica da Síndrome é crucial para desenvolver um plano de tratamento personalizado.


Segunda Dica: Abordagem Transdisciplinar: A complexidade dessas condições exige uma abordagem transdisciplinar. Neurologista Pediátrico, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional com Certificação Internacional em Integração Sensorial de Ayres, analista do comportamento, psicomotricista, musicoterapeuta, psicopedagogo, nutricionista, pediatra com expertise em medicina integrativa e funcional e fonoaudiólogo podem trabalhar em conjunto para criar um plano integrado, abordando não apenas as crises epilépticas, mas também os desafios motores e de comunicação associados, visando melhorar a funcionalidade motora, a independência e a qualidade de vida.


Terceira Dica: Tratamento Farmacológico: O tratamento farmacológico pode ser uma parte essencial do manejo, com medicamentos anticrise adaptados às necessidades específicas da criança. O monitoramento regular e ajustes são frequentemente necessários para otimizar a eficácia e minimizar os efeitos colaterais.


Quarta Dica: Estimulação Precoce e Educação Adaptada: A estimulação precoce é crucial para o desenvolvimento global. Programas educacionais adaptados às necessidades específicas da Trissomia do 21 e da Síndrome dos Espasmos Epilépticos são fundamentais para promover o aprendizado e a inclusão.


Quinta Dica: Apoio Psicossocial: O impacto emocional dessas condições não pode ser subestimado. O apoio psicossocial para a criança e seus familiares é essencial. Grupos de apoio, aconselhamento e recursos educacionais podem fornecer suporte valioso.


Sexta Dica: Monitoramento Contínuo: O tratamento requer monitoramento contínuo, ajustando as estratégias à medida que a a criança cresce e suas necessidades evoluem. Uma abordagem adaptativa é vital para otimizar os resultados ao longo do tempo.


Em última análise, o tratamento da Síndrome dos Espasmos Epilépticos em crianças com Trissomia do 21 é uma jornada única para cada pessoa. A personalização é a chave, reconhecendo e respondendo às necessidades específicas para promover o melhor resultado possível. A colaboração entre profissionais de saúde, educadores, familiares e a própria criança é a espinha dorsal de um cuidado eficaz e compassivo.


Dra. Valéria Gandolfi Geraldo

Pediatria - Neurologia Pediátrica

CRM-SP 105.691 - RQE: 26.501-1

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page