top of page
  • Foto do escritorClinica NeuroGandolfi

Diagnóstico Precoce de Autismo: Como Pode Transformar Vidas


Diagnóstico Precoce de Autismo: Como Pode Transformar Vidas

O diagnóstico precoce do autismo é uma das ferramentas mais poderosas que temos para mudar o curso do desenvolvimento de uma criança. Não apenas abre portas para intervenções específicas, mas também capacita famílias e educadores com conhecimentos e estratégias para oferecer suporte mais efetivo. Neste artigo, exploraremos a importância do diagnóstico precoce, as características as quais pais e professores devem estar atentos e como um diagnóstico oportuno pode efetivamente transformar vidas.


O que é o Autismo?

O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é um transtorno neurobiológico complexo que os comportamentos já estão presentes nos primeiros anos de vida. Caracterizado por dificuldades com habilidades sociais e comunicação verbal e não-verbal (linguagem não verbal e pragmática) e comportamentos repetitivos, o autismo varia significativamente em seu nível de suporte e características clínicas. Não existe um autista igual ao outro. O autismo é um espectro de características clinicas comportamentais.


A Importância do Diagnóstico Precoce:

  1. Intervenção Precoce: Estudos mostram que a intervenção precoce pode resultar em melhorias significativas no comportamento, na fala e nas habilidades sociais das crianças. Quanto mais cedo a criança no espectro do autismo começar a receber terapia adequada, maior a possibilidade de atingir seu potencial.

  2. Melhores Resultados a Longo Prazo: Um diagnóstico precoce pode levar a melhores resultados na adolescência e na idade adulta. Isso inclui maior probabilidade de independência, sucesso escolar e habilidades de vida adaptativa.

  3. Redução do Estresse Familiar: Quando os pais entendem o que está ocorrendo com seu filho, eles são melhores equipados para buscar recursos, apoio e comunidades que possam ajudar a lidar com os desafios diários.


Características de Alerta para Pais e Educadores:

Identificar o autismo o mais cedo possível faz uma grande diferença. Aqui estão algumas características que podem indicar a necessidade de avaliação por um profissional:

  • Atrasos na Fala e na Comunicação: Se uma criança não está usando palavras por volta dos 12 meses ou frases simples (um verbo mais uma palavra) por volta dos dois anos.

  • Interação Social Limitada: Falta de contato visual, pouco ou nenhum interesse por outras crianças, ou resposta limitada ao nome.

  • Comportamentos Repetitivos: Movimentos repetitivos, como balançar, girar ou agitar as mãos.

  • Interesses Restritos: Foco intenso em um interesse específico ou brincar com brinquedos de maneira incomum.

  • Alterações Sensoriais: hipersensibilidade a alguns sons; colocar objetos na boca; cheirar objetos/alimentos/pessoas; dificuldade para cortas as unhas e ou cabelos; necessidade de movimentação constante; aparente indiferença a dor e temperatura; dificuldade de equilíbrio; descascar feridas; dificuldade de andar descalço na área e ou grama; dificuldade com alguns tecidos de roupas; problemas alimentares e outras.


Avaliação e Diagnóstico:

O processo de diagnóstico pode envolver vários especialistas, incluindo Neurologistas Pediátricos, Neuropsicólogos, Fonoaudiólogos, Analistas do Comportamento, Psicomotricistas, Psicopedagogos, Nutricionistas, Musicoterapeutas, Pediatras com expertise em Medicina Integrativa e Funcional e Terapeutas Ocupacionais com abordagem em Integração Sensorial de Ayres, que trabalharão juntos para avaliar a criança em diversas áreas. Este processo é crucial para entender as necessidades específicas da criança e planejar uma intervenção apropriada.


Intervenções Efetivas Após o Diagnóstico:

Após o diagnóstico, várias intervenções podem ser recomendadas:

  • Terapias Comportamentais: Intervenção baseada em ABA (Análise do Comportamento Aplicada) é uma das abordagens mais comuns e efetivas, focada em ensinar habilidades através de reforço positivo. Em crianças maiores de 6 anos de idade, sem transtorno do desenvolvimento intelectual e com leve ou nenhum prejuízo da linguagem funcional, a Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) também é uma abordagem muito comum e efetiva, principalmente nos casos com coocorrências a ansiedade e depressão.

  • Terapia da Fala e Linguagem: Para ajudar no desenvolvimento da comunicação e linguagem. Aqui não podemos esquecer da comunicação suplementar e alternativa (CSA) e avaliar a necessidade de terapia específicas para os Transtornos Motores da Fala.

  • Terapia Ocupacional com abordagem em Integração Sensorial de Ayres: Para melhorar as habilidades motoras e de processamento sensorial.

  • Musicoterapia: para melhorar as habilidades de comunicação, socioemociais e motoras finas.

  • Psicopedagogia: para melhorar e desenvolver as habilidades acadêmicas.

  • Psicomotricidade: para intervenção baseada em exercício e movimentos a fim de melhorar tônus muscular e habilidades motoras.

  • Nutricionista: para acompanhamento nutricional, plano alimentar, reeducação alimentar e terapia alimentar. Cérebro nutrido se desenvolve melhor!


Conclusão:

O diagnóstico precoce do autismo não é apenas um passo médico, é um passo em direção a uma vida mais plena e integrada para a criança e sua família. Ao entender e intervir cedo, podemos oferecer às crianças no espectro do autismo um caminho melhor e mais adaptativo para o futuro.


Se você suspeita que uma criança possa estar no espectro autista, ou se você deseja aprender mais sobre o diagnóstico e as opções de intervenção, não hesite em entrar em contato conosco. Marque uma Avaliação Diagnóstica do Autismo em Crianças com Laudo Médico hoje e dê o primeiro passo para apoiar o desenvolvimento pleno e saudável do seu filho.



Dra. Valéria Gandolfi Geraldo

Pediatria - Neurologia Pediátrica

CRM-SP 105.691 - RQE: 26.501-1

2 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page