Neurologia pediátrica

Sobre a área de atuação

Criança brincando

(1) O que é Neurologia Pediátrica?

A Neurologia Pediátrica é uma área de atuação  clínica que avalia o sistema nervoso central (cérebro, cerebelo e tronco encefálico) e periférico (nervos) das crianças e adolescentes.

É o médico Neurologista Pediátrico (conhecido como neurologista infantil ou neuropediatra) que avalia todo o desenvolvimento da criança e do adolescente, do ponto de vista das suas aquisições motoras, cognitivas e de linguagem, desde o nascimento até a fase adulta.

Nos últimos anos, com todos os avanços científicos nas áreas de genética molecular, exames de imagem, eletroencefalografia e bioquímica, houve uma melhora significativa na avaliação e diagnóstico dos distúrbios observados no campo da Neurologia Pediátrica.

Todos esses novos conhecimentos nos têm permitido maiores e melhores abordagens para as crianças e adolescentes com Transtorno do Espectro  do Autismo (TEA), Transtorno do Desenvolvimento Intelectual (TDI), Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Transtornos Motores, Transtornos Específicos de Aprendizagem, Transtornos de Comunicação, Transtorno do Tique, Epilepsia e Cefaléia. 

(2) Quando é preciso procurar um especialista em Neurologia Pediátrica?

Os pais de crianças e adolescentes acometidas de problemas neurológicos graves, seja por sequelas, traumas mecânicos ou questões genéticas e hereditárias, via de regra chegam naturalmente ao consultório de Neurologia Pediátrica, muitas vezes encaminhados por especialistas de outras áreas. Entretanto, crianças e adolescentes com problemas leves e muitas vezes imperceptíveis aos pais, ou tidos como "fase", manha ou birra, são identificadas pelos pediatras e encaminhadas por esses profissionais ao Neurologista Pediátrico.

Por isso, também é importantíssimo que os pais cumpram a recomendação de, até o primeiro ano de vida, levar a criança mensalmente ao pediatra. Esse profissional também deve continuar sendo visitado periodicamente até o final da adolescência.

Todas as consultas na Neurologia Pediátrica tem um olhar sentinela dos marcos do desenvolvimento. Para os bebês de risco de atraso dos marcos do desenvolvimento, as consultas atendem o seguinte calendário:

 

(A) Consulta na maternidade  – primeira avaliação e acompanhamento durante todo o período de internação de acordo com a real necessidade do bebê. 

 

(B) Consulta ambulatorial:

  • A primeira consulta acontece entre 7 e 10 dias da data da alta.

  • Aos 2, 4, 6, 9, 12 , 15, 18, 24 e 30 meses. Até 2 anos, seguir idade gestacional corrigida. 

  • A partir da consulta dos 36 meses (3 anos) deve ser realizada uma consulta anual até o inicio da adolescência, quando recomenda-se novamente estreitar a observação clínica a cada 6 meses até a fase adulta.

  • Se no  acompanhamento da criança ou adolescente, acontecer qualquer alteração, doença ou situação em que ele precise ser mais avaliado ou supervisionado, o neurologista pediátrico pode precisar agendar consultas e ou retornos mais próximos ou frequentes.

(3) Como são feitas as avaliações no consultório de Neurologia Pediátrica? 

Cabe ao neurologista pediátrico lançar mão de todos os recursos necessários para a realização de uma anamnese detalhada, seguida de exame físico geral e neurológico, dirigido para a idade da criança ou adolescente. 

 

É de fundamental importância uma conversa franca e aberta com pais ou responsáveis, explicando detalhadamente sobre possíveis diagnósticos, tratamentos, reabilitação e prognóstico, tudo a fim de otimizarmos todo o plano terapêutico e possibilitar à criança ou adolescente uma pronta reabilitação dentro do que estiver ao alcance da Neurologia Pediátrica e também de uma possível abordagem transdisciplinar, envolvendo outras áreas como fonoaudiologia, psicologia, neuropsicologia, musicoterapia, arteterapia, equoterapia, fisioterapia, terapia ocupacional, psicopedagogia e outras.

(4) Alguns dos atendimentos mais frequentes:

  • Epileptologia: Epilepsia, Encefalopatias Epilépticas e ou do Desenvolvimento, Síndromes Epilépticas da Infância e Adolescência, Primeira Crise Epilética, Crises Epilépticas Circustâncias, Crises Febris e Crises Febris Plus.

  • Cefaléia/Dor de cabeça: Enxaqueca, Cefaléia Tensional, Cefaléias em Salvas e outras.

  • Transtornos do Neurodesenvolvimento:  Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Atraso Global do Desenvolvimento, Transtorno do Desenvolvimento Intelectual (TDI), Atraso na Aquisição e no Desenvolvimento da Linguagem, Transtorno do desenvolvimento dos sons da fala, Transtornos Motores da Fala (Atraso Motor da Fala, Apraxia da Fala, Disartria), Transtorno de Linguagem (TL), Transtorno do Desenvolvimento de Linguagem (TDL), Transtorno da Comunicação Social Pragmática e Transtorno do Desenvolvimento da Fluência da Fala, Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação (TDC) Motora, Transtorno do Processamento Sensorial (TPS) e Transtorno do Movimento Estereotipado, Transtornos Específicos de Aprendizagem (com prejuízo na leitura; expressão escrita; matemática; Altas Habilidades/Superdotação), Transtorno de Tourette, Transtorno de Tique Motor ou Vocal Persistente (Crônico), Transtorno de Tique Transitório. 

  • Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento: Acompanhamento e orientação aos cuidados com Bebês de baixo peso ao nascimento, asfixiados, prematuros ou com risco de atraso dos marcos do desenvolvimento; Olhar sentinela dos marcos do desenvolvimento e comportamento das crianças e adolescentes; Acompanhamento e orientação aos cuidados com Síndromes Genéticas, Má formação Cerebral, Paralisia cerebral infantil e outras Encefalopatias crônicas progressivas e não progressivas; Desempenho escolar fraco (na leitura, expressão escrita ou matemática); Transtorno do Processamento Auditivo Central (TPAC); Transtornos da Eliminação (Encoprese, Enurese); Transtornos Neurocognitivos; Transtornos dos Comportamentos Alimentares (Transtorno alimentar evitativo restritivo - TARE, dificuldades alimentares nos primeiros anos de vida e outros transtornos alimentares) ; Transtorno Disruptivos da Desregulação do Humor (TDDH); Transtorno de Oposição Desafiante (TOD); Transtorno Explosivo Intermitente; Transtornos de Ansiedade; Transtornos Depressivos; Transtorno Bipolar e Transtornos Relacionados; e Transtorno Obsessivo-compulsivo e Transtornos Relacionados; Transtorno do Game; Transtorno do uso excessivo de tecnologia e temas em torno da uso televisão, celular, tablet, computadores, vídeo game, internet e outros aparelhos eletrônicos na infância e adolescência.