top of page
  • Foto do escritorClinica NeuroGandolfi

Epilepsia de Ausência na Infância: Compreendendo, Lidando e Apoiando



Epilepsia de Ausência na Infância: Compreendendo, Lidando e Apoiando


A epilepsia de ausência é uma forma de epilepsia generalizada que afeta especialmente crianças. Caracterizada por episódios de breve perda de consciência, a epilepsia de ausência na infância pode ser desafiadora para pais, cuidadores e, é claro, para as próprias crianças. Vamos explorar mais sobre essa condição, incluindo causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e estratégias de apoio para garantir o bem-estar das crianças afetadas.


Compreendendo a Epilepsia de Ausência:

A epilepsia de ausência é caracterizada por episódios súbitos de ausência, nos quais a criança parece desconectada por alguns segundos. Durante esses episódios, a criança pode não responder a estímulos externos e pode retomar suas atividades normais após a ausência sem memória do ocorrido.


Causas e Fatores de Risco:

  1. Genética: A epilepsia de ausência pode ter uma predisposição genética, com histórico familiar de epilepsia.

  2. Desenvolvimento Anormal do Cérebro: Anormalidades no desenvolvimento cerebral também podem contribuir para essa forma de epilepsia.

  3. Idade: A epilepsia de ausência é mais comum em crianças entre 4 e 12 anos.


Sintomas da Epilepsia de Ausência:

  1. Ausências Breves: Episódios de desconexão breve, durando geralmente alguns segundos.

  2. Parada Repentina nas Atividades: A criança pode interromper abruptamente o que está fazendo durante o episódio.

  3. Movimentos Automáticos: Alguns casos podem envolver movimentos automáticos, como piscar de olhos rápidos ou movimentos labiais.


Diagnóstico e Avaliação:

  1. Registro de Epilepsia por EEG: O eletroencefalograma (EEG) é crucial para registrar as atividades elétricas do cérebro durante os episódios.

  2. Avaliação Médica Completa: Exames médicos e histórico clínico auxiliam no diagnóstico diferencial e na identificação de possíveis causas subjacentes.


Tratamento e Manejo:

  1. Medicação Anticrise: A prescrição de medicamentos anticrise é comum para controlar os episódios.

  2. Monitoramento Regular: A criança pode precisar de monitoramento regular para ajuste da medicação conforme necessário.

  3. Aconselhamento e Apoio Psicológico: Tanto a criança quanto a família podem se beneficiar de aconselhamento e apoio psicológico para lidar com os aspectos emocionais da condição.


Estratégias de Apoio para Crianças e Familiares:

  1. Educação: Entender a condição é essencial para pais, professores e a própria criança.

  2. Rede de Apoio: Construir uma rede de apoio, incluindo médicos, educadores e grupos de apoio, pode ser fundamental.

  3. Adaptações na Escola: Trabalhar em estreita colaboração com a escola para garantir adaptações adequadas, se necessário.


Conclusão:

A epilepsia de ausência na infância pode ser gerenciada com sucesso com o apoio adequado. É crucial buscar diagnóstico e tratamento precoces para garantir o melhor cuidado possível para a criança. Com compreensão, paciência e apoio contínuo, as crianças com epilepsia de ausência podem levar vidas plenas e participar ativamente em suas comunidades.


Dra. Valéria Gandolfi Geraldo

Pediatria - Neurologia Pediátrica

CRM-SP: 105.691 / RQE: 26.501-1

2 visualizações0 comentário
bottom of page